Biografia

      O  repertório do Coro é vasto e diversificado. Nele estão contidas peças da autoria do seu Maestro, de cuja vasta obra de compositor vem o Coro beneficiando.

       O Coro de Santo Amaro de Oeiras tem no seu historial um sem número de concertos ao vivo realizados por todo o país, para os mais diversos tipos de audiência, bem como programas na televisão, rádio, gravações em disco, música para cinema, teatro e participações em festivais, entre tantas outras actividades.

       A sua  discografia é vasta e nela se destaca o LP Searas, poema coral sinfónico da autoria de César Batalha, acompanhando o coro uma orquestra de estúdio. Salientam-se também o LP de trechos populares portugueses arranjados e harmonizados por César Batalha, Prenda de Natal, com Coro e orquestra e Boa Viagem, colectânea de música popular e popularizada portuguesa.

       Mostrando-se inteiramente receptivo a todas as experiências enriquecedoras da sua vivência coral, o Coro de Santo Amaro de Oeiras colaborou também em gravações de intérpretes da música ligeira. 

Na mesma linha, gravou música para os filmes Os abismos da meia-noite e O crime de Simão Bolandas, de Jorge Brum do Canto.

       Para o teatro, executou trechos da peça Fígados de Tigre, de Gomes de Amorim,

      O Processo de Jesus, de Diego Fabbri e da obra teatral Erros Meus, Má Fortuna, Amor Ardente..., de Natália Correia, com música de César Batalha. Colaborou no último episódio da telenovela portuguesa Origens e na série televisiva Polícias.

       Em 1980, foi-lhe atribuído o troféu do Melhor Coro do Ano pela revista Nova Gente.

       Em 1981, recebeu a Medalha de Mérito Artístico da Câmara Municipal de Oeiras.

       Em 1984, a Casa da Imprensa de Lisboa distinguiu-o com o Prémio de Popularidade.

       Em 1991, foi agraciado com a Medalha de Agradecimento da Cruz Vermelha Portuguesa.

       Em 1997, a Ordem Soberana e Militar de Malta atribuiu-lhe o seu Diploma de Agradecimento.

       Desde 1976, vem o Coro de Santo Amaro de Oeiras ramificando a sua actividade. Nesse ano, por iniciativa do Maestro César Batalha, nasce o  Coro Infantil de Santo Amaro de Oeiras, conhecido em todo o país.

       A canção Eu vi um Sapo, vencedora no Sequim de Ouro, da autoria de César Batalha, foi primeiramente gravada por este Coro infantil, bem como o já clássico natalício A todos um Bom Natal, do mesmo autor.

       Em 1982, César Batalha formou o Com-Clave, agrupamento juvenil do Coro de Santo Amaro de Oeiras.

Em 1986, foram constituídos o  Contraponto, formado pelos instrumentistas do Coro, e o grupo Ministars, com adolescentes saídos do Coro infantil.

       Em 1990, fundou ainda o grupo MaisMúsica, igualmente com elementos do Coro infantil.

       A actividade do Coro, sendo este uma entidade difusora da cultura do seu Concelho, tem o apoio da Câmara Municipal de Oeiras. 

       Realizou em Março de 1987 uma digressão a França (Voiron-Lyon) sob a égide e a convite da Secretaria de Estado da  Emigração e Turismo, a ASTI (Association de Solidarité avec les travailleurs immigrés) de Voiron e da Câmara Municipal de Oeiras. Deste modo, pôde mostrar o seu trabalho além fronteiras, trabalho esse que foi justa e entusiasticamente apreciado.

       Em Maio de 2000, nas comemorações do seu 40.º aniversário e a convite do Ministro da República para a Região Autónoma dos Açores, com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras, deslocou-se às ilhas Terceira e S. Miguel, apresentando com êxito o seu trabalho e confraternizando com vários coros locais.

       Em 1992, actuou para o Comité da Agricultura da primeira presidência portuguesa da Comunidade Europeia, a convite do ministro da Agricultura, em concerto representativo da cultura musical portuguesa.

       Em 1993, representou o Concelho de Oeiras no espectáculo de encerramento da Presidência Aberta em Lisboa.

       Em Junho deste mesmo ano, a convite de Sua Excelência O Presidente da República de Portugal, Dr. Mário Soares, o Coro de Santo Amaro de Oeiras participou nas cerimónias do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, que se realizou no Palácio de Seteais em Sintra.

       Participação que se repetiu, por expressa vontade de Sua Excelência O Presidente da República de Portugal, Dr. Jorge Sampaio, em 10 de Junho de 1998, festejando o Dia de Portugal na Praça Cerimonial da Expo'98.

       Teve o grato prazer de actuar no Teatro Nacional de S. Carlos, num concerto realizado com a Banda Sinfónica da P.S.P., em Maio de 1994, comemorando o aniversário desta instituição. O seu quingentésimo concerto efectuou-se em 18 de Dezembro de 1995, na Festa de Natal da Rádio Renascença, no Teatro Tivoli em Lisboa.

       Em Junho de 1995 e 1997, cantou a Missa Solene para a imposição das insígnias dos novos cavaleiros da Soberana Ordem Militar de Malta na Sé Patriarcal de Lisboa.

       Em 2000, colaborou com a FENACERCI na campanha "Pirilampo Mágico".

Com-clave

Foi fundado em 1982 pelo Maestro César Batalha e pratica um estilo musical mais ligado à música ligeira, especialmente sucessos mundiais, com arranjos feitos pelo seu Maestro.

Tem actuado em diversas localidades do País, quer isoladamente, que integrando o programa do Coro de Santo Amaro de Oeiras, contribuindo deste modo para uma maior diversificação do repertório apresentado.

Por solicitação do Instituto de Tecnologia Educativa, colaborou no programa da R.T.P. Telescola, dedicado à paz.

Acompanhou o Coro de Santo Amaro de Oeiras na sua deslocação a França, em 1987, apresentando com o maior sucesso trechos de música ligeira francesa.

Deslocou-se também à cidade de Mindelo, Cabo Verde, para tomar parte no Festival de Música 1988 da Baía da Praia das Gatas, representando o Município de Oeiras.

Gravou um LP que inclui alguns dos mais célebres e divulgados trechos musicais dos anos sessenta em versões portuguesas da autoria de Diniz da Fonseca.

O Com-Clave, como agrupamento do Coro de Santo Amaro de Oeiras, segue a mesma linha de actuação, colaborando sempre a título gratuito, pretendendo deste modo colocar a sua actividade ao serviço de quem o solicitar.

Actualmente este grupo funciona exclusivamente integrado nos concertos do Coro de Santo Amaro de Oeiras interpretando peças que incluam partes onde as vozes juvenis melhor se ajustem. 

Contraponto

  Integrou os concertos do Coro, quer acompanhando as vozes, quer apresentando o seu repertório próprio, contribuindo deste modo para uma diversificação de sonoridades que muito enriqueceu as actuações do Coro de Santo Amaro de Oeiras. Com este Coro, deslocou-se a França (Voiron-Lyon) em 1987, onde a sua interpretação foi muito apreciada e em Maio de 2000 integrou a digressão aos Açores do Coro de Santo Amaro de Oeiras, realizada por solicitação do Ministro da República para aquela Região Autónoma.
  De entre as peças que apresentou, devem destacar-se Nascente e Pensamento, obras instrumentais compostas por César Batalha e destinadas ao agrupamento.

(Leia aqui a biografia completa...)